DISQUE DENÚNCIA

92 98435-7108

   Ouça a FM 92.3
25.3 C
Manaus
terça-feira, outubro 26, 2021

DISQUE DENÚNCIA

92 98435-7108

   Ouça Rádio Onda Digital FM 92.3

Ex-funcionária diz que Facebook está ligado a violência e espionagem

EUA – Durante o tão esperado depoimento na terça-feira perante o Subcomitê de Proteção ao Consumidor do Senado, a denunciante do Facebook, Frances Haugen, apontou repetidos exemplos fora dos Estados Unidos sobre como a rede social poderia ser usada para fins perigosos — tanto que os legisladores se perguntaram se eles deveriam se reunir para discutir especificamente questões de segurança nacional.

A ex-gerente de produto fez referência a uma série de ligações entre a atividade no Facebook e a violência mortal em Mianmar e na Etiópia, e a espionagem pela China e Irã.

- Anúncio -

“Meu medo é que, sem ação, os comportamentos dicotômicos e extremistas que vemos hoje sejam apenas o começo. O que vimos em Mianmar e agora na Etiópia são os primeiros capítulos de uma história tão aterrorizante que ninguém quer ler o final dela”, disse Haugen disse, referindo-se ao recente derramamento de sangue em ambos os países.

Facebook admitiu em 2018 que não fez o suficiente para evitar a disseminação de postagens que incitaram o ódio contra a perseguida minoria Rohingya em Mianmar. Desde então, ele prometeu limitar a disseminação de “desinformação” no país após um golpe militar no início deste ano.

Questionado por um senador se o Facebook é usado por “líderes autoritários ou terroristas” em todo o mundo, Haugen respondeu que esse tipo de uso da plataforma está “definitivamente” acontecendo, e que o Facebook está “muito ciente” disso.

Sua última função no Facebook foi com a equipe de contra-espionagem da empresa, que ela diz “trabalhar diretamente no rastreamento da participação chinesa na plataforma, vigiando, digamos, os ativistas uigures ao redor do mundo”.

“Você poderia realmente encontrar os chineses, com base puramente no fato de que eles fazem esse tipo de coisas”, disse ela.

Em março, a equipe de segurança do Facebook revelou que hackers chineses tinham como alvo ativistas uigur e jornalistas que viviam fora do país com contas falsas do Facebook e malware.

A equipe de Haugen também observou “a participação ativa de, digamos, o governo do Irã fazendo espionagem em outros atores estatais. Isso é definitivamente uma coisa que está acontecendo”, disse ela.

Neste verão, Mike Dvilyanski, chefe de investigações de espionagem cibernética do Facebook, disse à CNN que a empresa havia desativado “menos de 200 contas operacionais” em sua plataforma associada à campanha de espionagem iraniana, e notificou um número semelhante de usuários do Facebook que podem ter sido alvos o grupo.

Haugen culpou “uma consistente falta de pessoal da operação de informações de contraespionagem (do Facebook)” pela proliferação contínua de tais ameaças, no entanto, e disse que também estava falando com outras partes do Congresso sobre elas.

A revelação levou o senador Richard Blumenthal, um democrata de Connecticut, a sugerir que as questões de segurança nacional fossem exploradas mais profundamente no futuro.

Classificação baseada no engajamento

De acordo com Haugen, a classificação baseada no engajamento — que amplifica o conteúdo que estimula os usuários a reagir com curtidas, compartilhamentos ou comentários — está “literalmente alimentando a violência étnica” em países como a Etiópia, que está dividida por profundas divisões regionais e raciais.

“Eu encorajo a reforma dessas plataformas, não escolhendo e escolhendo ideias individuais, mas, em vez disso, tornando as decisões mais seguras, menos inquietantes, menos virais, porque é assim que resolvemos esses problemas de forma escalável”, disse ela.

Embora o Facebook tenha desenvolvido medidas para mitigar o perigo, elas são aplicadas de forma desigual em todos os idiomas do mundo, disse Haugen.

“O Facebook também sabe, eles admitiram em público, que a classificação baseada no engajamento é perigosa sem sistemas de integridade e segurança, mas não implementou esses sistemas de integridade e segurança para a maioria dos idiomas do mundo. E é isso que está causando coisas como violência étnica na Etiópia.”

Após a audiência, o Facebook emitiu um comunicado tentando desacreditar Haugen e contestando “sua caracterização” de muitas questões.

“Hoje, um subcomitê de comércio do Senado realizou uma audiência com uma ex-gerente de produto do Facebook que trabalhou para a empresa por menos de dois anos, não tinha subordinados diretos, nunca compareceu a uma reunião de ponto de decisão com executivos de nível C — e testemunhou mais de seis vezes apesar de não trabalhar no assunto em questão”, diz o comunicado, tuitado pelo porta-voz Andy Stone.

“Não concordamos com sua caracterização das muitas questões sobre as quais ela testemunhou. Apesar de tudo isso, concordamos em uma coisa: é hora de começar a criar regras padrão para a internet.”

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Via CNN.

Acompanhe nossas redes sociais

Instagram

Facebook

Twitter

Artigos Relacionados

Mantenha-se Conectado

1,298FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
21SeguidoresSeguir
150InscritosInscrever

Últimos Artigos