DISQUE DENÚNCIA

92 98435-7108

26.3 C
Manaus
sexta-feira, janeiro 21, 2022

DISQUE DENÚNCIA

92 98435-7108

Bolsonaro afirma que não há reajuste garantido para servidores públicos

O presidente Jair Bolsonaro afirmou no sábado (8) que ainda não há definição sobre reajuste de servidores públicos. Ele ressaltou que não existe reajuste garantido para nenhuma categoria.“Primeiramente, não está garantido o reajuste pra ninguém. Tem uma reserva de R$ 2 bilhões, que você pode usar. Poderia ser usado para PF [Polícia Federal], PRF [Polícia Rodoviária Federal] e também o pessoal do sistema prisional, mas não está nada garantido”, disse o presidente a jornalistas.

No final do ano passado, o Congresso Nacional aprovou o Orçamento de 2022 com reserva de R$ 1,7 bilhão para reajuste das forças federais de segurança e cerca de R$ 800 milhões para agentes comunitários de saúde e agentes de combate a endemias. No entanto, o aumento reservado apenas para servidores da área de segurança pública desagradou outras categorias do Executivo federal, que ameaçam deflagrar uma greve nacional no serviço público.

- Anúncio -

Leia mais:

Irmão de Bolsonaro trabalha em cidade que recebeu verba do orçamento secreto

Aliados criticam ataques de Bolsonaro à vacinação infantil

 

Bolsonaro observou que os servidores estão sem reajuste há três anos e que reconhece que eles “perderam bastante poder aquisitivo”. No entanto, o presidente acrescentou que encontrar espaço fiscal para aumento de salário é muito difícil.

“Não tem espaço no orçamento no momento. Você vê a dificuldade que foi de negociar a questão dos precatórios para poder dar o auxílio emergencial de R$ 400 para quem ganhava, em média, R$ 190”, disse.

Reforma

Na conversa com jornalistas, Bolsonaro afirmou que vai realizar uma ampla reforma ministerial no fim de março, quando 12 ministros deverão deixar seus postos para concorrerem a cargos nas eleições deste ano.

A lei eleitoral exige que integrantes do Poder Executivo deixem seus cargos pelo menos seis meses antes do pleito eleitoral. Caso as intenções sejam confirmadas, quase metade do primeiro escalão do governo federal, atualmente com 23 ministros, será substituído de uma só vez.

Já começamos a pensar em nomes pra gente substituir”, disse o presidente, sem citar possíveis substitutos. Os ministros que devem deixar os cargos para concorrer nas eleições são: Anderson Torres (Justiça e Segurança Pública), Tereza Cristina (Agricultura), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), João Roma (Cidadania), Fábio Faria (Comunicações), Marcelo Queiroga (Saúde), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), Gilson Machado (Turismo), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência), Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos).

 

Via Agência Brasil

 

Acompanhe nossas redes sociais

Instagram 

Facebook

Twitter 

Artigos Relacionados

Mantenha-se Conectado

1,298FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
39SeguidoresSeguir
165InscritosInscrever

Últimos Artigos