DISQUE DENÚNCIA

92 98435-7108

25.3 C
Manaus
sábado, dezembro 4, 2021

DISQUE DENÚNCIA

92 98435-7108

Ministro de Minas e Energia descarta necessidade de racionamento

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque descartou nesta sexta-feira (30) a possibilidade de racionamento de energia no país, mas sinalizou risco de apagão no fim do ano. Segundo ele, o país trabalha para que essa possibilidade não aconteça. Falou em entrevista à rádio CNN.

“Temos governança total do sistema e oferta suficiente, o que evitaria pico de demanda e consequente apagão”, disse o ministro. “Também temos excesso de oferta de energia”, afirmou. Bento Albuquerque disse, porém, que não se sabe “como estará o sistema em outubro e novembro se não houver chuva”. “Trabalhamos com todas essas possibilidades de deslocar e diminuir um pouco a demanda para que tenhamos mais tranquilidade e dar flexibilidade do operador”, disse o ministro.

- Anúncio -

Disse que o governo não trabalha com a hipótese e de racionamento de energia. “Monitoramos o sistema brasileiro 24 horas por dia. Não há necessidade de medida excepcional a ser adotada“, afirmou o ministro.

Sobre a capitalização da Eletrobras, disse que o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) deve concluir o modelo de capitalização no final de 2021 e todo o processo de privatização, inclusive com a análise do TCU (Tribunal de Contas da União), deve finalizar no 1º bimestre de 2022.

Bento Albuquerque afirmou que o governo não trabalha com a possibilidade da criação de um horário de verão para a economia de energia. Complementou que a falta de água para setores de economia depende da quantidade de chuva, sem necessariamente ter relação com a crise energética.

Atualmente, o Brasil vive a maior crise hídrica em 91 anos. O Ministério de Minas e Energia acompanha a situação por meio de um comitê especial.

O ministro Bento Albuquerque afirmou reiteradamente que o país não corre risco de ter racionamento de energia. No dia 28 de junho, fez um pronunciamento em rede nacional para falar sobre a crise hídrica. Para evitar o colapso das hidrelétricas, o governo acionou as termelétricas a diesel, mais poluentes e com um custo maior de produção. Além disso, diminuiu a vazão de parte das hidrelétricas.

Como consequência, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) decidiu no dia 29 de junho reajustar a bandeira tarifária 2 –a mais cara do sistema de bandeiras– em 52,1%. Com o aumento, a cada 100 quilowatts-hora consumidos serão pagos R$ 9,49 extras. A alta vale para julho e o preço da energia pode subir novamente em agosto.

Via Poder 360

Saiba mais em Fiscaliza Amazonas

Acompanhe nossas redes sociais

Instagram 

Facebook

Twitter 

Artigos Relacionados

Mantenha-se Conectado

1,298FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
29SeguidoresSeguir
158InscritosInscrever

Últimos Artigos